Alentejo

Introdução

Situado no sul de Portugal, o Alentejo denota grande aptidão na produção de vinhos de marcada qualidade e tipicidade. Povoa-se de vastos vinhedos por extensas planícies sob o sol escaldante que ilumina e amadurece as uvas.

Esta região é a maior província de Portugal. É limitada a Norte pelo Rio Tejo, a Noroeste pela Estremadura, a Oeste pelo Oceano Atlântico, a Este pela fronteira com Espanha e a Sul pelo Algarve.

O Alentejo encontra-se subdividido em quatro unidades, designadas por Alto Alentejo, Alentejo Central, Baixo Alentejo e Alentejo Litoral.

A Região Vitivinícola ALENTEJO, está subdividida em oito subregiões nas quais se produzem vinhos de qualidade com Denominação de Origem Controlada (DOC): Portalegre, Borba, Redondo, Reguengos, Évora, Granja-Amareleja, Vidigueira e Moura. São certificados pela Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA), cujos estatutos regulamentam a cultura da vinha, a vinificação, o estágio e o controlo dos vinhos. Os vinhos produzidos de acordo com estas normas apresentam nos seus rótulos o designativo comum DOC ALENTEJO.

Em termos vitícolas, o Alentejo Central é a unidade mais importante uma vez que aqui se inserem as zonas vitícolas de Borba, Redondo, Reguengos, Évora e parte de Granja/Amareleja. Dada a afinidade de condições edafo-climáticas com a península de Setúbal, as vinhas existentes no Alentejo Litoral estão inseridas na área de produção de vinhos "Terras do Sado".

A cultura da vinha tem um papel social muito importante, o que se evidencia pelo facto dos concelhos com maior área de vinha serem também aqueles em que a densidade populacional é superior à média da região.
No Alentejo produz-se ainda um vinho com a Indicação Geográfica "Vinho Regional Alentejano", que pode ter origem indistintamente nos distritos de Portalegre, Évora e Beja.

Os vinhos do Alentejo são brancos frutados, de aromas intensos e originais; os tintos de aromas frutados e frescos.

São, entre as demais, seis as castas que os marcam e os distinguem; três castas brancas Roupeiro de aroma fino, equilibrado e tom citrino; Rabo de Ovelha casta produtiva, de cor aberta; Antão Vaz de aroma singular e personalizado três castas tintas Periquita de aroma agradável, frutado e macio; Trincadeira denotando frescura e grau alcoólico adequado; Aragonez de cor tinta carregada conferindo corpo aos vinhos.

 |Solo|     |Clima|     |Castas|  

|Tipos de Vinhos|      |Enoturismo|

Solo

Os solos dominantes nas zonas vitivinícolas do Alentejo, que abrangem os distritos de Portalegre, Évora e Beja, são de origem granítica e algumas manchas de derivados de xistos e quartzodioritos. No entanto, na região de Borba aparecem com maior dominância solos derivados directa ou indirectamente de calcários cristalinos e na região de Moura, solos calcários pardos. Na generalidade, são solos de média a baixa capacidade de uso e portanto com médio a baixo nível de fertilidade.

 

Clima

As zonas vitivinícolas do Alentejo situam-se na faixa Ibero-Mediterrânea, com características climáticas mediterrânicas aliadas a uma acentuada continentalidade.

Os principais acidentes orográficos responsáveis pelos microclimas existentes em algumas zonas vitivinícolas são, de Norte para Sul: a Serra de S. Mamede com 1025 metros de altitude, a Serra d'Ossa com 649 metros e a Serra de Portel com 421 metros.

A hidrografia é constituída fundamentalmente pelas bacias do Guadiana e do Sado. Destaca-se também a influência dos rios Caia, Xévora e Degebe, afluentes do rio Guadiana e Xarrama e Almansor, afluentes do rio Sado, junto aos quais existem associadas algumas barragens de dimensões variáveis que também influem nas condições edafo-climáticas das zonas vitícolas.

O clima da região é caracterizado por Primaveras e Verões excessivamente quentes e secos.

A precipitação média anual é de 550-650 mm, à excepção das regiões de Borba (750-850 mm) e Portalegre (900-1000 mm); a precipitação concentra-se sobretudo nos meses de Inverno.

A temperatura média anual é de 15.5-16º C., a temperatura média das máximas absolutas é de 20.5-21º C. (máxima absoluta 42.1º C.), e a média das mínimas absolutas de 11-11.5º C. (mínima absoluta -5º C.).

Os valores relativos à insolação são muito elevados, particularmente no trimestre que antecede as vindimas, contribuindo para a perfeita maturação das uvas e qualidade dos vinhos.

A insolação anual é de aproximadamente 3000 horas.

São de facto condições marcadamente favoráveis à síntese e acumulação dos açúcares e à concentração de matérias corantes na película dos bagos.

 

Castas

Castas tintas autorizadas:

Abundante

Carignan

Alicant Bouschet

Castelão

Bastardo

Cinsault

Cabernet Sauvignon

Perrum

Grand Noir

Trincadeira Preta

Corropio

Tinta Grossa

Pinot

Touriga Nacional

Syrah

Tinta Francesa

Tinta Carvalha

 

Castas tintas recomendadas:

Aragonês

Periquita

Trincadeira

Grand Noir

 

Castas brancas autorizadas:

Alicante Branco

Malvasia Rei

Alva

Moscatel

Boal

Semillon

Chardonnay

Roupeiro

Diagalves

Tamarez

Fernão Pires

Trincadeiras das Pratas

Formosa

Verdelho

Larião

 

Castas brancas recomendadas:

Antão Vaz

Roupeiro

Tamarez

Rabo de Ovelha

 

Tipos de vinhos

Tipos de Vinho

Título Alcoométrico Volúmico Mínimo (%vol.)

Tinto
Branco

11 Adq.
11 Adq.

Características Organolépticas do Vinho

Vinhos Tintos

De cor rubi definida ou granada, aromas frutados a frutos vermelhos, maduros, macios, quentes, ligeira adstringência, com corpo e equilibrados.

Vinhos Brancos

De cor palha, aberta ou citrina, frutados no aroma e no sabor, com algum corpo e equilibrados.

 

Enoturismo

Considerando que Portugal é um país onde se produzem vinhos de grande qualidade, o Enoturismo ou turismo vitivinicola, pode contribuir para o desenvolvimento regional.
Situado entre o rio Tejo e o Algarve, o Alentejo é uma região com excelentes condições naturais para a produção de vinhos de qualidade e tipicidade, onde são produzidos há séculos.
A Rota dos Vinhos do Alentejo, como produto turístico inovador pretende ser mais do que a definição num mapa dum circuito temático. Aproveitando o interesse de turistas nacionais e estrangeiros pela temática vitivinícola, procura-se no Alentejo interessá-los também por outros aspectos da realidade cultural e turística regional, como o seu Património Edificado, o Artesanato, a Animação Turística e Cultural, a Gastronomia, o seu Povo e as suas Gentes.
No Gabinete de Apoio, o turista poderá apreciar uma mostra de todos os produtos vitivinícolas produzidos na região, bem como alguns acessórios que dignificam o serviço de vinhos, tem também a possibilidade de realizar provas comentadas, desde que marcadas antecipadamente. É ainda o local que tem como principal função a promoção da Rota, prestar informações relativas à operacionalidade dos itinerários integrados na referida Rota, estabelecer contactos com os produtores, marcação de visitas e realização de provas.

Endereços:

Rota dos Vinhos do Alentejo

Praça Joaquim António de Aguiar, 20 - 21
Apartado 2146 - 7001-901 Évora
Tel: 351 - 266 746 609 - 266 746 498
Fax: 351 - 266 746 602

Email: rota@vinhosdoalentejo.pt
Página Web: http://www.vinhosdoalentejo.pt

Região de Turismo de Évora

Rua de Aviz, n. 90
7000-591 Évora
Tel: 351 - 266 742 534 - 266 742 535
Fax: 351 - 266 705 238

Email: rte@ip.pt
Página Web: http://www.rtevora.pt

Região de Turismo da Planície Dourada

Praça da República, n.º 12 - 1º
7800-427 Beja
Tel: 351 - 284 310 150
Fax: 351 - 284 310 151

Email: rtpd@rt-planiciedourada.pt
Página Web: http://www.rt-planiciedourada.pt

Região de Turismo de S. Mamede

Estrada de Santana, n.º 25
7300-901 Portalegre
Tel: 351 - 245 300 770
Fax: 351 - 245 204 053

Email: rt.s.mamede@mail.telepac.pt
Página Web: http://www.rtsm.pt

Outros endereços:

Museu Regional do Vinho do Alentejo

Praça da República
7170-011 Redondo
Tel: 351 266 909 100
Fax: 351 266 909 039
e-mail: museudovinho@cm-redondo.pt

Enoteca de Redondo

Rua do Castelo
7170 Redondo
Tel: 351 266 989 210/ 351 963 849 566
e-mail: museudovinho@cm-redondo.pt

 
 
 Regiões
 Vinhos Verdes
 Douro
 Beiras
 Estremadura
 Alentejo
 Ribatejo
 Setúbal
 Algarve
 Açores
 Madeira


 
 
Supervisionado por Carla Tavares e Doutor César Ferreira | Desenvolvido pelos alunos de Especialização em Produção Enológica